Eficácia da luz ultravioleta C contra o novo coronavirus

Representação artística da luz agindo sobre o novo coronavírus.

A luz ultravioleta C (UV-C, com pico de emissão em 254 nanômetros) teve sua eficácia comprovada cientificamente contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2).

A partir de estudos anteriores, a luz UV-C é comprovadamente eficaz na eliminação de inúmeros tipos de microrganismos. Isto porque esta luz de atua diretamente no material genético do alvo. Portanto, era provável a validade do uso dessa tecnologia contra o SARS-CoV-2. E, o bom resultado obtido também era esperado.

Como aconteceu o estudo sobre a eficácia?

O estudo foi realizado com a intenção de descobrir os períodos de exposição (i.e., doses) à luz UV-C necessários para redução da carga viral do SARS-CoV-2. A pesquisa foi conduzida com rigorosas condições experimentais. Isso permite a checagem do experimento, tão necessário no meio científico. O estudo foi realizado em um laboratório com nível de biossegurança 3 (NB3). O alto nível se deve por causa do risco biológico atrelado à este vírus estudado. Além disso, as lâmpadas UV-C usadas foram fornecidas pela BioLambda. Elas são as mesmas usada no equipamento UV Surface.

O estudo percorreu os valores de inativação logarítmica de 10, 100 e 1.000, que é equivalente à eficácia de 90%, 99% e 99,9% contra os vírus. Assim, obteve os respectivos períodos de exposição necessários à distância de um centímetro com lâmpada de 18 watts. Estas são as condições recomendadas no uso do equipamento UV Surface.

Eficácia comprovada contra o novo coronavírus

Inativação viral (%) Tempo de exposição (s)
90 0,01
99 0,32
99,9 2,98
Tabela 1: Tempo de exposição à luz UV-C necessário para a inativação do Sars-CoV-2.

Veja que menos de um segundo é necessário para inativar 99% das partículas de SARS-CoV-2, o agente causador da COVID-19. Além disso, foi comprovado que os equipamentos que utilizam luz ultravioleta C são eficazes contra o novo coronavírus. Isto, desde que corretamente dimensionados.

Detalhes do estudo sobre a eficácia

As instituições responsáveis pelo estudo foram a Universidade de São Paulo (USP), o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN) e a BioLambda. O estudo foi realizado pelos cientistas Caetano P. Sabino, Fábio P. Sellera, Douglas F. Sales-Medina, Rafael Rahal Guaragna Machado, Edison Luiz Durigon, Lucio H. Freitas-Junior e Martha S. Ribeiro. O artigo foi recebido para publicação no dia 5 de agosto de 2020. E, no dia 8 de setembro de 2020 revista “Photodiagnosis and Photodynamic Therapy” disponibilizou o artigo. Esta revista é um dos maiores expoentes científicos nos estudos de biofotônica. Para ler o artigo científico completo, clique aqui.

Dimensionamento contra o novo coronavírus

Este estudo tem validade para o vírus causador da COVID-19. A partir deste e de outros estudos, a BioLambda realizou o dimensionamento de seus produtos para obter de alta performance em biossegurança.

Entretanto, outros microrganismos, podem demandar diferentes dosagens de luz UV-C. Assim, novas validações são recomendadas conforme o mecanismo do equipamento e o local onde será usado. Portanto, acesse os canais de venda da BioLambda para solicitar uma consultoria em biossegurança.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Política de Privacidade